TENDINOSE

Tendinose

O que começa com uma tendinite pode ter graves conseqüências para o bom funcionamento do seu corpo. Saiba mais aqui sobre a tendinose, seus sintomas, tratamentos e formas de prevenção.

 

O que é?

A tendinose é similar à tendinite, mas estas duas patologias têm algumas diferenças importantes. Apesar de muitas vezes o diagnóstico ser equivocado, a tendinose é mais comum e exige tratamento específico.

O que acontece nesta doença é que, em casos de esforço ou uso excessivo de algumas articulações, ocorrem microrrupturas na estrutura do tendão, mais especificamente no local onde ele se une ao osso do paciente.

tendinoseDesta forma, o nosso corpo se mobiliza a cicatrizar as pequenas lesões, mas o que ocorre na verdade é o acúmulo de células na área, diminuindo a força de locomoção do tendão e facilitando sua ruptura total.

Neste caso, pode ter existido um quadro de inflamação (ou seja, tendinite), mas a patologia vai além, uma vez que a cicatrização e o processo de cura do organismo nesta área específica foi defeituosa ou insuficiente.

Este tipo de doença, como a tendinite, também é comum nos pulsos, ombros, joelhos e calcanhares.

Muitas vezes, a tendinose é diagnosticada como tendinite por seus danos e sintomas semelhantes, mas um bom especialista saberá orientar o paciente e encaminhar o mesmo para um tratamento adequado.

 

Sintomas

A tendinose geralmente causa desconforto e limitação de movimento na área afetada. O paciente sente muita dificuldade em locomover a articulação doente. Se for atleta, ele também pode sentir diminuição expressiva de rendimento e força.

A tendinose também pode causar sensação de queimação, inchaço, acúmulo de água e formigamento na articulação e nas regiões próximas.

No caso dos atletas, as dores e o desconforto pioram após as atividades físicas e o inchaço tende a aparecer no dia seguinte.

Outro sinal característico de tendinose (mas não da tendinite) é a presença de matrizes de colágeno danificadas ou totalmente desorganizadas. Elas geralmente são visualizadas por exames de imagem, como ultrassonografias e raios X.

Esta desordem nos tendões geralmente é o ponto diferencial entre tendinose e tendinite, e é o critério médico principal no diagnóstico correto desta patologia.

 

Evolução

A tendinose é uma forma crônica de tendinopatia (nome usado para doenças e patologias que afetam os tendões). Desta forma, quando ela se instala, não pode ser curada, apenas controlada.

Se o paciente não procura tratamento médico, mesmo com desconforto, a patologia pode levar à ruptura do tendão, quadro bastante doloroso e grave que exige cirurgia.

Uma vez rompido, o tendão também perde parte considerável da força e não pode mais ser usado como antes. A articulação deve passar por longos períodos de imobilização e pode nunca mais voltar à velha forma.

tendinopatia tendinose

 

Tratamento

É importante lembrar que o tratamento é apenas paliativo. Mesmo quando ele é seguido à risca e traz bons resultados, os danos e o tecido fraco no tendão continuarão presentes.

Desta forma, o paciente, atleta ou não, pode recuperar os movimentos, mas nunca a força original da articulação.

Muitos médicos tratam a tendinose com medicamentos anti-inflamatórios e analgésicos, mas ainda não se sabe a efetividade dos anti-inflamatórios neste caso, uma vez que a inflamação não é o problema, e sim sua cicatrização deficiente.

No entanto, estes medicamentos são comumente administrados e podem ajudar em alguns casos. Os medicamentos podem ser administrados por via oral ou por injeções locais na articulação periodicamente.

A tendinose não requer cirurgia, a menos que não seja tratada e o tendão seja rompido.

Os tratamentos de praxe incluem repouso absoluto e imobilização da articulação, inicialmente, e retorno gradual às atividades normais. Sessões de fisioterapia também são úteis, tanto para reeducar a postura e evitar esforço excessivo, quanto para fortalecer os músculos da área.

Existem ainda poucos tratamentos e pouco conhecimento no que diz respeito às tendinopatias. Muitos novos tratamentos para esta patologia ainda estão em fase de pesquisa.

Seguindo os tratamentos já existentes, o paciente consegue retornar às atividades básicas em 2 ou 3 meses. A melhora e a recuperação completa demoram de 3 a 6 meses.

Aproximadamente 80% dos pacientes com tendinose se recupera totalmente, Os outros 20% podem permanecer com alguma seqüela ou limitação de movimento na articulação doente.

TEMOS MAIS ARTIGOS PARA VOCÊ:

6 comentários em “TENDINOSE

  1. Olá,desde junho sinto dores terríveis ,no quadril esquerdo.Fiz um ressonância magnética e apareceu no exame o seguinte:Tendinose justainsercional no glúteo mínimo com pequena ruptura parcial e peritendinite.Se poder esclarecer minhas dúvidas. Obrigada aguardo um email.

  2. Tenho tendinose no cotovelo direito e comecei a fazer fisioterapia, só que o tratamento e muito doloroso e fico com hematomas ao fim da massagem e do tratamento, a minha pergunta é: é normal isto acontecer e ficar com imensas dores e com hematoma, será que estou a fazer o tratamento certo ou estarei a piorar ou a massacrar o tendão mais do que ele está? Obrigada

  3. Boa noite,gostaria de um esclarecimento.Fiz ultra-sonográfia do ombro direito:o resultado foi;espessamento e hipoecogenicidade do tendão do supra-espinal,secundário a tendinose.observa-se aréa anecoíca junto a superfície articular das fibras centrais do tendão do supra-espinal medindo cerca de 0,5cm no sentido antero posterior devendo estar relacionada a ruptura de espessura parcial.gostaria de saber o que é isso pois tenho dores até o cotovelo e minhas maõs ficam inchadas pela manhã.desde ja agradeço pela atenção,obrigado

  4. gostaria de saber meus exames dos ombros deram o resultado assim, subescapular e supra espinais esq e o dir hipoecogenicos por tendinose o qual a gravidade desce problema desde ja agradeço pela atençao

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>