Você está em: Saúde, Doenças e Medicina > Doenças > SARNA

SARNA

O que é a sarna

Esta doença é contagiosa e pode afetar tanto os animais quanto os seres humanos. Ela provoca terríveis efeitos no organismo, além de incomodar muito, devido ao intenso prurido. A melhor forma de se prevenir da sarna é mantendo bons hábitos de higiene e escolhendo bem os filhotes na hora da compra.

A sarna provoca geralmente descamação na pele, coceira, perda de alguns pelos e hemorragia. A enfermidade de pele é extremamente contagiosa e todo o cuidado é pouco na hora da prevenção. Caso ela espalhe pelo corpo os danos provocados podem ser imensos, afetando órgãos de maneira irrestrita e generalizada.

Certos estudiosos afirmam que a sarna de cachorro não afeta os seres humanos. No entanto, pode-se dizer que existem dois tipos diferentes da doença. Uma delas atinge especialmente os animais. Já a outra pode ser transmitida ao homem. Esta é causada pelo Sarcoptes scabiei. A outra é provocada pelo Demodex canis.

Para manter você e sua família protegidos todo cuidado é pouco. A sarna pode adquirir terríveis contornos quando não tratada devidamente. Portanto, diante dos primeiros sintomas não hesite em procurar por ajuda. Quanto antes a doença for diagnostica maior será a eficácia do tratamento.

 

A sarna sarcóptica

Esta é a versão de sarna que pode ser transmitida dos cachorros para os seres humanos. Ela é provocada por um ácaro que recebe o nome de Sarcoptes scabiei. Neste caso o parasita põe ovos em lugares que arranja no pelo do cão, sendo que destes surgirão as larvas. A coceira que este processo provoca acaba fazendo com que o cachorro arranque pedaços de pele.

O contato dos seres humanos com cachorros portadores do parasita causa a sarna nos homens. O animal pode ser um portador sem sintomas, portanto é imprescindível cuidar da saúde de seu cão. Além disto, a sarna sarcóptica também é transmitida através do uso de material que esteja contaminado, como toalhas, roupas e pentes, por exemplo.

sarna humana-cachorro

 

Como detectar

Nos animais este tipo de sarna acomete geralmente a cabeça e o pescoço, podendo se espalhar para o restante do corpo. Em estágios mais avançados e quando a doença não é tratada, o cachorro pode sofrer com outras contaminações como fúngicas e bacterianas, devido às lesões.

É necessário ficar atento à saúde do cão para evitar um contágio. Seres humanos em contato com animais doentes podem ser acometidos pela enfermidade. O ácaro responsável por este tipo de sarna, o Sarcoptes scabiei, costuma ficar posicionado na epiderme, embaixo da conhecida camada córnea. Ele tem preferência por lugares como os espaços interdigitais, a parte anterior do antebraço, as axilas, os cotovelos, os sulcos intermamários, o escroto e o prepúcio, por exemplo.

Em crianças o parasita parece acometer mais as regiões glúteas, sendo pouco frequente na face. O período de incubação do mesmo é de cerca de 15 dias. Quando os primeiros sinais surgem um médico deve ser consultado. O diagnóstico é basicamente clínico, através da análise das lesões. Fique atento à saúde do seu cão. Caso ele pareça incomodado ou esteja com coceira, leve-o imediatamente ao veterinário.

 

Sintomas

Após o contato com o ácaro, seja devido à transmissão canina ou devido à transmissão via objeto contaminado, os sintomas começam a surgir. Dentre 5 a 15 dias a pessoa começa a sentir prurido intenso, principalmente antes de se deitar. A coceira pode ser diurna ou vespertina, dependendo do caso.

A atividade dos ácaros torna o cotidiano insuportável. A coceira pode ser generalizada ou local, acometendo os lugares que foram mencionados mais acima. Alguns caracteres objetos tendem a ser observados além do prurido, sendo comum a presença de sulcos sinuosos visíveis ou nem tanto. Bolhas também podem estar presentes, dependendo da higiene do indivíduo contaminado.

No instante em que estes sinais foram notados, dirija-se a um médico especializado. A sarna é altamente contagiosa e pode adquirir contornos preocupantes quando não devidamente tratada. É importante estabelecer algumas medidas preventivas de forma a evitar a contaminação do seu cão e da sua família.

 

Como se proteger da sarna de cachorro

Existem dois tipos de sarna, a própria de cachorro e a que pode ser transmitida aos seres humanos. Para se proteger da segunda opção é importante ter muito cuidado na hora de comprar um filhote de cachorro. Avalie bem o estado de saúde do cão e examine os pelos e a pele. Tenha também atenção aos irmãos de ninhada e aos pais, sempre que possível.

Caso seu cachorro esteja se coçando com muita frequência, leve-o a um veterinário. Fique de olho em lesões e, em situações de sarna confirmada, siga à risca o tratamento específico. Geralmente é preciso trocar os panos onde o animal dorme por jornais, que possam ser descartados diariamente. Além disto, também costuma ser indicado ferver todos os materiais utilizados pelo cachorro. Os moradores da residência devem ser examinados de forma a garantir que a sarna não tenha sido transmitida.

 

Como proteger o seu cachorro da sarna

A sarna própria dos cachorros é a chamada demodécica. Ela é provocada pelo ácaro Demodex canis, pequeno e de difícil detecção. A doença costuma dar origem a uma série de sintomas como perda de pelo e coceira. Ela é prevalentemente familiar, ou seja, é quase sempre passada da mãe para os seus filhotes.

Devido a este caráter, torna-se praticamente impossível evitar que filhotes de mães acometidas não nasçam com a doença. O importante é cuidar bem dos pequeninos, de forma a evitar que a sarna adquira maiores proporções. A boa nutrição, por exemplo, é uma medida que auxilia e muito no controle do mal.

O cão que tiver nascido com sarna deve ser imediatamente levado a um veterinário. Esta espécie de enfermidade não acomete os seres humanos, no entanto, pode provocar sérios danos ao organismo do animal. Existe atualmente no mercado uma série de produtos que possui a finalidade de dar fim a esta doença. Entretanto, antes de administrar qualquer medicamento consulte um veterinário. O uso incorreto de fármacos pode ser muito prejudicial à saúde do cão, além de algumas vezes agravar a condição.

TEMOS MAIS ARTIGOS PARA VOCÊ:

5 comentários em “SARNA

  1. Oi, meu sobrinho de 6 anos esta com sarna, e ele nem tem animais de estimação, mas os vizinho tem animais e não cuidam ai passou pra ele….

  2. ganhei uma cachorrinha com sarna, e passou pra mim também. Fui no pet shop e comprei um remédio que se mistura na água e depois pulveriza o cachorro. Parece que esta melhorando, mas o que me estranha é que ele come pouco, anda e cai para o lado, fui num pet shop e ele me deu vitaminas para dar pra ele, dizendo que se encontra fraco. Agora pergunto, será que ele não tem verme?

  3. quem disse que sarna de cão não passa p humano??
    Esses estudiosos estão todos errados!!

    Minha cachorrinha pegou sarna e passou para familia toda alem da cachorra da minha sogra.

    Foi treta de curar essa maldita sarna viu

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>