Você está em: Saúde, Doenças e Medicina > Doenças > Escara

Escara

O que é escara?

Também conhecida como úlcera de decúbito, esta é uma forma de úlcera de pressão na qual se observa uma crosta preta ou parte necrótica. As úlceras de pressão ocorrem devido à isquemia, ou interrupção sanguínea, em determinado local. Os lugares mais acometidos são, geralmente, as nádegas, os cotovelos, a região sacra, o tronco e o calcâneo.

Vários são os fatores que podem influir no sentido de provocar uma lesão deste tipo como fricção, traumas ou desnutrição, por exemplo. O problema é passível de ocorrer tanto em homens quanto em mulheres sem qualquer espécie de restrição de idade.  Quando uma região de tecido mole fica por muito tempo comprimida entre uma estrutura óssea e uma superfície dura é comum a escara se desenvolver.

Algumas pessoas fazem parte da população mais vulnerável a esta condição. Paraplégicos, idosos e pacientes que se encontram hospitalizados, por exemplo, acabam enfrentando as úlceras de pressão com maior frequência, até mesmo devido ao fato da locomoção restrita.

As medidas preventivas são simples e o tratamento costuma ser eficiente. É preciso consultar um médico para que este oriente sobre a melhor abordagem e para que, desta forma, todos os inconvenientes sejam controlados.

escara

 

Agente causador

As úlceras de pressão de uma forma geral são causadas quando há pressão excessiva e prolongada em determinada área. Geralmente os locais mais acometidos são as nádegas, o tronco, os cotovelos e o calcâneo, por exemplo. Algumas pessoas fazem parte de um grupo de risco, devido às necessidades a elas impostas. Estas são os idosos, os paraplégicos e os pacientes hospitalizados.

Além disto, existem certos fatores que influem no sentido das lesões como fricções, incontinência urinária, deficiência de vitamina, infecções, pressão arterial alterada, edemas, umidade excessiva, incontinência fecal, desnutrição, traumas e imobilidade. Qualquer pessoa pode vir a desenvolver uma escara em determinado momento da vida.

 

Como se descobre a doença (diagnóstico)

É fácil observar o desenvolvimento das lesões. No início é apenas uma leve vermelhidão local, porém com o passar dos dias pode haver destruição da pele e até mesmo exposição dos ossos. Desta forma é bastante comum que pessoas com escara procure por ajuda médica.

Através de uma minuciosa análise clínica o profissional já começa a suspeitar do mal. A aparência da lesão é característica. Alguns exames laboratoriais podem ser feitos, assim como biopsia de tecido, para que outras enfermidades sejam excluídas. Após a certeza do diagnóstico, deve-se dar início imediato a um tratamento.

A escara pode piorar consideravelmente caso não seja tratada e pode voltar a aparecer se os devidos cuidados não forem tomados. Portanto, é muito importante que pessoas pré-dispostas tomem medidas preventivas, caso contrário irão viver com este incômodo frequentemente.

 

Sintomas

Logo no início diz-se haver uma situação de hiperemia, ou seja, há uma vermelhidão no local, porém a pele ainda não foi gravemente atingida. Geralmente este sinal ocorre quando a pressão dura algo em torno de 30 minutos no máximo. Em poucas horas tende a desaparecer.

ulcera-de-pressaoQuando a pressão é contínua e por mais de 2 horas a lesão começa a comprometer a pele. Pode surgir algo semelhante a uma bolha ou a uma abrasão. Nestes casos diz-se haver uma situação de isquemia e o machucado tende a desaparecer por volta de 3 dias depois. Caso haja necrose é devido a uma pressão por mais de 6 horas na mesma região. Logo se pode notar um arroxeado e, em certos casos, um pequeno nódulo endurecido. Nesta situação a lesão já é mais grave e necessita de um tempo maior para sumir e de um tratamento adequado.

O estágio de ulceração é o mais grave. Caso a pressão não cesse a escara vai se aprofundando a ponto de destruir a pele, os músculos e até mesmo expor os ossos. A aparência é preocupante e o tratamento deve ser intensivo.

 

Prevenção

Os princípios básicos para a prevenção de qualquer úlcera de pressão são uma alimentação adequada, cuidados e higiene com a pele, estimulação da área pressionada e alívio da pressão na mesma de tempos em tempos. Para algumas pessoas como os paraplégicos e os hospitalizados, pode ser difícil evitar estas lesões. Por isto é importante estar sempre mudando estes indivíduos de posição, manter a pele hidratada e limpa, evitar a umidade, utilizar colchões macios e manter as roupas de cama limpas e bem esticadas, por exemplo.

Uma alimentação rica em proteína ajuda na cicatrização da pele e na prevenção das lesões, assim como a movimentação, já que promove uma circulação. Portanto, é necessário estimular a deambulação.  Pacientes que utilizam fraldas devem ter estas trocadas de 3 em 3 horas no mínimo. Outra medida muito indicada é utilizar sabonetes com ph neutro na região genital. Sempre que possível é bom mudar de posição, nem que seja de um lado para o outro na cama. Manter travesseiros macios na região embaixo dos ombros e dos cotovelos também é uma boa alternativa.

 

Tratamento

O tratamento consiste na limpeza da ferida com jatos de soro fisiológico, de preferência morno. O soro fisiológico, além de limpar a ferida, não destrói o que o corpo já vinha reconstruindo. É, portanto, uma excelente opção de tratamento.

Caso a lesão esteja em um estágio mais avançado e já apresente crosta preta, um profissional deve ser contatado para que cuide da ferida, com a finalidade de retirar esta camada endurecida. Após a limpeza um curativo deve ser feito de forma a manter a umidade no nível ideal. É preciso retirar o excesso de exsudato e garantir o isolamento térmico. A gaze deve ser impermeável a bactérias e trocada sempre que preciso. Deve-se também ficar atento para que na hora da troca do curativo tecidos não sejam removidos, causando mais traumas à ferida.

Tratamentos cirúrgicos podem ser considerados em certas circunstâncias. A escarectomia, por exemplo, é a retirada total da região necrosada. Já a osteotomia retira algumas proeminências ósseas debaixo da escara. Pode-se também elaborar uma cobertura especial para cada escara. Entretanto, a prevenção é a melhor solução para estas lesões. Diante de qualquer espécie de machucado, não hesite em consultar um médico.

Tags: , , , , ,

7 Comentários

  1. Denise de Arruda disse:

    Muito Obrigada ajudou bastante as explicações.

  2. geraldo marcio lisboa disse:

    solicito maiores informações para tratamento de escara com todos os detalhes para minha mãe.

    Muito obrigado

    Att,

  3. kathellym disse:

    boa noite! meu sogro está com esse problema e estou pesquisando os melhores métodos higiênicos para ajuda-lo nessa fase, ele esta em coma e é quase impossível mover ele de lugar de 2 em 2 horas… estou pesquisando loções e formulas que acelerem essa cicratrização. A ureia é muito boa pelo que andei lendo, mas os cremes estão muito caros uma vez considerando que não é somente 1 pote q preciso comprar. Eucerin locao com 10% de ureia a 40,00 .. tenho uma solução caseira que é a 3 tubos de hipoglos, que também contem uma pequena quantidade de ureia, óleo de amêndoas, oxido de zinco 50gr que ajuda na cicratizacao e na proliferação da bactéria, amido de maisena.. misturar a solução e aplicar 3x ao dia.. gostaria de uma opinao de um profissional para essa solução para ver se realmente é valida e se não existe a contra indicação. n queria ser a causa de estragar mais o caso dele, sendo que minha intensão é somente ajuda-lo.

  4. Daniele albino disse:

    Mt obg…ira me ajuda mt

  5. magali agosto de 2013 disse:

    me ajudou muito ,tambem tirou minhas duvidas ,muito obrigada

  6. Adriane Cristina Ruppel disse:

    Obrigada. Suas informações são de grande valia e detalhadas de forma facil para compreender.

  7. Lucia Dantas de Caldas disse:

    Muito bom adorei as sugestões.

Deixe o seu comentário!