Você está em: Saúde, Doenças e Medicina > Doenças > Saúde da Mulher > Clamídia

Clamídia

O que é clamídia?

É uma doença sexualmente transmissível de grande prevalência no mundo. Provocada por uma bactéria que recebe o nome de Chlamydia trachomatis, a clamídia pode acometer tanto homens quanto mulheres. Esta DST, ou doença sexualmente transmissível, também pode ter sua bactéria transmitida da mãe para o feto durante a passagem do parto.

Esta infecção atinge principalmente os órgãos genitais e a uretra, podendo, entretanto, também afetar a região anal e a faringe, neste caso provocando doenças pulmonares. A clamídia é considerada uma das maiores causas da infertilidade de ambos os sexos.

Em homens a bactéria costuma provocar inflamações nos testículos e nos epidídimos, levando até mesmo à obstrução da passagem dos espermatozoides. Já nas mulheres o grande risco é a Chlamydia trachomatis ultrapassar o colo uterino e chegar às trompas, gerando a DIP, doença inflamatória pélvica.

A clamídia pode obstruir as trompas e impedir que o óvulo se encontre com o espermatozoide. Ou ainda pode levar a uma gravidez tubária, quando o ovo não consegue chegar ao útero. Partos prematuros e abortos são mais comuns em mulheres com a enfermidade do que em mulheres sãs. Quando a clamídia é transmitida pelo parto o feto corre o risco de nascer com um tipo de conjuntivite ou com uma pneumonia.

Veja mais:

Clamidia

 

Agente causador

Quem provoca a clamídia é a bactéria Chlamydia trachomatis. A doença é sexualmente transmissível, ou seja, é transmitida durante relações sexuais sem o uso de preservativos. O período de incubação costuma levar em média 15 dias entre a relação e o início dos sintomas. Mesmo neste período a pessoa já é capaz de transmitir a doença a outras pessoas.

A Chlamydia trachomatis é uma bactéria gram negativa que vive obrigatoriamente dentro de uma célula. Este mesmo microrganismo é responsável pelo tracoma, doença infecciosa que provoca inflamação e cicatrização no tecido que reveste as pálpebras pelo lado dentro.

 

Como se descobre a doença (diagnóstico)

O diagnóstico precoce da clamídia pode ser um pouco difícil, pois os sinais e sintomas produzidos são pouco aparentes e um tanto quanto isolados. Quando as complicações mais incômodas surgem as pessoas tendem a procurar por auxílio médico. Nesta situação uma boa conversa com o paciente pode trazer resultados.

Um exame de urina geralmente é solicitado, assim como o exame da secreção uretral e do material que pode ser colhido através do esfregaço na uretra. Em mulheres, o material colhido do colo do útero também pode ter esta finalidade.  Além destes exames o profissional pode solicitar outro que possui o intuito de identificar os anticorpos anticlamídia.

Diante dos resultados dos exames e do histórico do paciente o médico pode chegar à certeza do diagnóstico. A clamídia, quando não tratada, aumenta as chances de uma infecção pelo vírus da AIDS e o risco da pessoa sofrer de infertilidade. Mulheres podem ter partos prematuros e até mesmo se tornarem estéreis. Portanto, o tratamento deve ser seguido à risca e levado muito a sério.

 

Sintomas

Após a infecção com a bactéria Chlamydia trachomatis o tempo para que os sintomas comecem a se manifestar é de aproximadamente 15 dias. Durante esta fase, mesmo com a ausência de sintomas, a pessoa está apta a contaminar outros indivíduos.

Em alguns casos a clamídia pode ser assintomática, o que levanta ainda mais preocupações. Quando os sintomas estão presentes eles costumam acometer da mesma forma os dois sexos. De forma geral são eles:

  • Dor ou ardor ao urinar;
  • Número de micções aumentado;
  • Secreção fluída;
  • Câimbras;
  • Tonturas;
  • Sangramento após a relação sexual;
  • Vômitos;
  • Febre.

Diante destes sintomas não hesite em procurar por um médico. A clamídia é uma doença que provoca sérias complicações e necessita receber o devido tratamento. Realize exames de rotina para manter o organismo bem monitorado. Desta forma uma série de doenças pode ser precocemente detectada e receber um melhor tratamento.

clamidia sintomas

 

Prevenção

A principal forma de prevenção com relação à clamídia é o uso de preservativos em todas e quaisquer relações sexuais. O sexo seguro previne não somente desta como de uma variedade de doenças.

Restringir o número de parceiros sexuais também é muito importante, assim como manter hábitos de higiene saudáveis. Como a clamídia pode ser assintomática é indicado que todos façam exames de rotina e consultem um médico periodicamente, de forma a manter o organismo monitorado.  Esta doença é uma das principais causas de infertilidade entre homens e mulheres, portanto, é preciso ficar atento e ter cuidado durante as relações sexuais.

Mulheres grávidas necessitam realizar um exame para verificação de clamídia, caso contrário é provável que a criança se contamine e prevenção clamidianasça com alguma conjuntivite ou pneumonia. Todas as pessoas sexualmente ativas precisam estar atentas ao risco de contaminação.

 

Tratamento

O tratamento para clamídia é basicamente feito através do uso de antibióticos específicos. Os medicamentos podem ser tanto oral quanto tópicos e necessitam ser utilizados de acordo com o recomendado.  A clamídia é uma doença sexualmente transmissível muito perigosa que pode ficar ativa por anos sem manifestar quaisquer sintomas. Apesar dos sinais estarem ausentes esta pessoa é capaz de contaminar outras, um fator que levanta preocupações.

Algumas vezes é comum que os sintomas se manifestem de uma só vez, provocando uma espécie de clamídia aguda em mulheres. Estas costumam ser hospitalizadas e passam por um tratamento intensivo. As consequências de uma clamídia não tratada vão desde infecções nos órgãos reprodutores, a infertilidade e maior vulnerabilidade para adquirir o vírus da AIDS. É preciso, portanto, ficar atento.

Diante dos sintomas mencionados acima não hesite em procurar por um médico. Nunca realize automedicação para tratar um incômodo. O uso incorreto de fármacos pode piorar o estado do organismo e ainda mascarar alguma doença mais preocupante. É preciso sempre consultar um profissional, pois somente ele pode avaliar corretamente cada situação e definir a melhor abordagem.

Pratique sexo seguro e limite o número de parceiros sexuais. As doenças sexualmente transmissíveis estão por aí e são muito fáceis de pegar. Caso seja sexualmente ativo, realize exames de rotina e consulte periodicamente um médico. Desta forma a saúde fica protegida.

TEMOS MAIS ARTIGOS PARA VOCÊ:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>